quarta-feira, 24 de junho de 2009

A DIFICIL ARTE DE DIZER NÃO AOS FILHOS

Você costuma dizer "não" aos seus filhos?

Considera fácil negar alguma coisa a essas criaturinhas encantadoras e de rostos angelicais que pedem com tanta doçura?

Uma conhecida educadora do nosso País alerta que não é fácil dizer não aos filhos, principalmente quando temos os recursos para atendê-los.

Afinal, nos perguntamos, o que representa um carrinho a mais, um brinquedo novo se temos dinheiro necessário para comprar o que querem? Por que não satisfaze-los?

Se podemos sair de casa escondidos para evitar que chorem, por que provocar lágrimas?

Se lhe dá tanto prazer comer todos os bombons da caixa, por que faze-lo pensar nos outros?

E, além do mais, é tão fácil e mais agradável ser-mos "bonzinhos"...

O problema é que ser pai é muito mais que apenas ser "bonzinho" com os filhos. Ser pai é ter uma função e responsabilidade sociais perante os filhos e perante a sociedade em que vivemos.

Portanto, quando decidimos negar um carrinho a um filho, mesmo podendo comprar, ou sofrendo por lhe dizer "não", porque ele já tem outros dez ou vinte, estamos ensinando-o que existe um limite para o ter.

Estamos, indirectamente, valorizando o ser.

Mas quando atendemos a todos os pedidos, estamos dando lições de dominação, colaborando para que a criança aprenda, com nosso próprio exemplo, o que queremos que ela seja na vida: uma pessoa que não aceita limites e que não respeita o outro enquanto indivíduo.

Temos que convir que, para ter tudo na vida, quando adulto, ele fatalmente terá que ser extremamente competitivo e provavelmente com muita "flexibilidade" ética, para não dizer desonesto.

Caso contrário, como conseguir tudo? Como aceitar qualquer derrota, qualquer "não" se nunca lhe fizeram crer que isso é possível e até normal?

Não se defende a ideia de que se crie um ser acomodado sem ambições e derrotista. De forma alguma. É o equilíbrio que precisa existir: o reconhecimento realista de que, na vida às vezes se ganha, e, em outras, se perde.

Para fazer com que um indivíduo seja um lutador, um ganhador, é preciso que desde logo ele aprenda a lutar pelo que deseja sim, mas com suas próprias armas e recursos, e não fazendo-o acreditar que alguém lhe dará tudo, sempre, e de "mão beijada"

Satisfazer as necessidades dos filhos é uma obrigação dos pais, mas é preciso distinguir claramente o que são necessidades do que é apenas consumismo caprichoso.

Estabelecer limites para os filhos, é necessário e saudável.

Nunca se ouviu falar que crianças tenham adoecido porque lhes foi negado um brinquedo novo ou outra coisa qualquer.

Mas já se teve notícias de pequenos delinqüentes que se tornaram agressivos quando ouviram o primeiro não, fora de casa.

Por essa razão, se você ama seu filho, vale a pena pensar na importância de aprender a difícil arte de dizer não.

Vale a pena pensar na importância de educar e preparar os filhos para enfrentar tempos difíceis, mesmo que eles nunca cheguem.

***

O esforço pela educação não pode ser desconsiderado.

Todos temos responsabilidades no contexto da vida, nas realizações humanas, nas actividades sociais, membros que somos da família universal.

10 comentários:

Susana disse...

Boa tarde, em nome da organização de blogagem colectiva Aldeia da Minha Vida, quero agradecer a sua participação, na qualidade de leitor(a) e eleitor(a) pelo seu contributo para o sucesso da mesma.
Dia 30 de Junho serão publicados os resultados.
Susana Falhas
www.aldeiadaminhavida.blogspot.com

Graça disse...

Todos temos responsabilidades, sim, na educação e formação dos nossos meninos... e, por vezes, é mesmo necessário saber dizer não.


Obrigada pela visita ao meu "palco".

Beijos e boa semana

Whispers disse...

Ola!

Dizer NAO é importante.
Importante que as crianças,adultos e ate animais,saiba o que é um ''NAO''
Mas não usar o não por satisfação nossa,ou por maldade.
Será sempre responsabilidade dos adultos educar as crianças e nunca esquecer que elas são os adultos de amanha.
Obrigado pela visita,Whispers fica mais rico com seu comentario,volte sempre.

beijinhos mil
Whispers

Ana Gotz disse...

Esta corretissima!
Agradar sim, mas mimar demais é estragar tudo!
Perfeito!

Ava disse...

Já dei uma olhada geral, e claro, lí també os outros blogs... Todos muito bens!

Que lindo a celebração do amor de vcs...

Gostei muioto de ter vcs lá no meu cantinho...

Voltem sempre... Serão sempre bem vindos!


Beijos e carinhos!

Desnuda disse...

É doído, mas não difícil ( pelo menos para mim). Sempre soube dizer não as minhas filhas ( engraçado que ainda não aprendi a dizer esta palavra aos outros rsrs). E sempre coube a mim esta palavra ( meu marido, como em geral são os pais, sempre teve dificuldades). A de 22 anos, quando criança, podia levar a qualquer lugar onde vendedores com extrema simpatia a induziam a compras. No fim, a elogiavam por ainda pequena não se deixar levar. A segunda, uma só vez chorou muito! Do shopping a casa... Queria uma guitarra. Me doeeu... Mas esperei o aniversário dela, que era próximo e lhe dei. Apenas esta única vez! E não restou mágoa ou traumas. Muito pelo contrário! Hoje é uma moça bem consciente, como a irmã ( extremamente responsável) que também deu belos exemplos.


Carinhoso beijo, amiga!

Susana disse...

Olá!

A blogagem da Aldeia da Minha Vida foi um grande sucesso, graças à sua participação e divulgação.

Convido-o(a) a participar na próxima blogagem de Julho “ Férias na Minha Terra”.

É uma oportunidade única para demonstrar a todos que vale a pena passar férias no nosso país, especialmente na nossa querida terra, seja ela aldeia, vila ou cidade.

Inscreva-se e mande o seu texto até 7 de Julho para o seguinte e-mail: aminhaldeia@sapo.pt

Para premiar a sua participação, vamos atribuir ao melhor post um fantástico prémio e ao melhor comentário também.

Muito obrigado pela sua atenção!

Votos de um feliz dia!

Susana Falhas

Feiticeira disse...

Antes de mais nada obrigada pela visita e pelo elogio

Entrei rapidinho e amei o primeiro tema, depois dos afazeres domesticos, volto para ler com calma que este texto merece

Beijokas a vcs, voltem sempre

Carla disse...

como mãe adorei este teu post
beijo

Cadinho RoCo disse...

Certa vez ouvi de um pai constatação espetacular. Ele chegou à conclusão de que desejava ao filho não facilidades, mas felicidade.
Cadinho RoCo