quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

VIRTUDE CELESTE



















Se a noite te surpreendeu de coração ferido ou de cérebro cansado por amargos arrependimentos, não te abandones à dor que te parece irremediável...

Enquanto a sombra se estende ao longo do caminho, e a ventania sopra, qual lamentoso grito de angústia, olha as estrelas que cintilam nas alturas e segue adiante, ao encontro do novo dia.

Não podes? Tremem-te os pés sob o fardo da aflição? Enrijeceram-se as fibras da tua alma e não consegues nutrir um novo sonho?

Ergue uma prece à esperança, esse génio da luz que nos permite antever o porvir imenso.

Recolhe-te à oração e ela virá, doce e infatigável enfermeira, acalmar as chagas interiores e sustentar-te as energias semimortas.

Atende-lhe o apelo carinhoso e prossegue sem desfalecimento.

Não permitas que o elixir entorpecido da inércia ou o fel corrosivo do sofrimento te enfraqueça.

Aceita as sugestões do génio amigo e reflecte...

Sentirás no próprio coração dores maiores que a tua, os pavores dos grandes infelizes, as úlceras cancerosas de milhões que, até agora, tu não conseguias ver.

Então, inefável consolo baixará do Céu sobre a tua dor, aquietando-te a ânsia.

Inexprimíveis sentimentos desabrocharão em teu Espírito, e teus braços se abrirão para acolher as dores ignoradas dos seres mais humildes da Terra.

Nem todos sabem avaliar essa virtude celeste. Muitos a transformam em vinagre de impaciência ou em tortura mortal, convertendo-lhe a bênção em estilete da enfermidade.

Felizes, porém, daqueles que lhe guardam a sublime claridade no âmago do Espírito, porque verão a sabedoria do tempo, adquirindo com a vida a ciência da paz.

Espera! - Diz a noite - O dia voltará.

Espera! - Clama a semente - O fruto não tarda.

Espera! - Anuncia a justiça - E tudo recomporei.

Bem-aventurados, pois, quantos no mundo sabem aprender, servir e esperar!


Suporta com coragem o fardo da tua dor, avançando na estrada da vida heroicamente, ainda que seja um centímetro por dia...

Lembra-te de que hoje, a noite maternal te enxugará o pranto com o repouso obrigatório, e de que amanhã o dia voltará, renovando todas as coisas.

Lembra-te, ainda, que a esperança sempre surge com os primeiros raios da aurora.

4 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
ai,
se houvesse justiça, amigos,
existem milhões de pessoas
sedentas de justiça,
e, ingloriamente, continuam
a acreditar na verdade,
porém os filhos da mentira
continuam vencer . . .
,
saudações, deixo,
,
*

Olhos de mel disse...

Queridos amigos; obrigada pela visita! Voltem, sim? Adorei o blog e o texto é maravilhoso! Vou voltar, com certeza.
Beijos

Cris Tarcia disse...

OLá! Gostei do texto, tanta coisa para aprender.

Uma linda noite, beijos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, bela fotografia...belo texto...Espectacular....