quarta-feira, 27 de abril de 2011

A CRUELDADE QUE NOS CIRCUNDA

Há algum tempo, uma senhora nos procurou e abriu seu coração de mãe e avó, preocupada com a crueldade praticada por jovens, no nosso país.


Pediu-nos que falássemos a respeito do assunto. Talvez haja um jeito de conter essa onda de violência e descaso para com a vida dos semelhantes, desabafou.

Sem a pretensão de apresentar uma fórmula capaz de solucionar o problema grave por que passa grande parte dos nossos jovens, exporemos algumas idéias dos Espíritos Superiores que sabem, mais do que imaginamos, os dramas por que passamos na face da Terra.

Elucidam que há possibilidades diversas para que tal situação se apresente.

Uma delas está justamente no Espírito reencarnado, ou seja, no Espírito que anima o corpo do nosso filho problema, que traz a própria bagagem infeliz de vidas anteriores.

Esse filho, mesmo tendo por parte dos pais os melhores exemplos de vida digna, de honestidade e grandeza no esforço do bem, não se interessará pela honradez ou probidade dos pais.

Ainda assim, cabe aos pais o esforço por continuar exemplificando o bem, mesmo que possa parecer inútil, pois um dia ele despertará para uma nova e melhor realidade.

Outra possibilidade é a da demissão dos pais, enquanto educadores de seus filhos.

Pais que largam os filhos "ao Deus dará", sem se preocuparem com o que fazem desde a infância.

E esses crescem com as informações variadas que lhes chegam por diversos meios, sem que alguém os oriente sobre o que é certo e o que não é.

Filhos que passam boa parte da infância e adolescência em frente à televisão, vendo os desenhos animados de crueldade, violência e brutalidade.

Outros, passam horas com os vídeos-games, sem que os pais se preocupem, sequer, em observar com que tipo de jogos seus filhos se divertem.

Um dia destes, observávamos dois garotos brincando na rua de um condomínio fechado, onde não deveria haver perigo, pois que lá ninguém entra sem ser convidado.

Mas tal foi a nossa surpresa, quando um dos garotinhos, de apenas oito anos de idade, sacou do bolso um canivete e ameaçou o amiguinho, só porque este pegou do chão um papel de bala que ele desejava para si.

Percebendo a possibilidade de alguém sair ferido, fomos até a portaria e avisamos um dos porteiros que o garoto estava com o canivete.



Este nos disse, para maior surpresa ainda, que ele já havia falado com a mãe do menino, e ela lhe dissera que sabia, pois fora ela mesma que o presenteara com a arma.

Podemos imaginar, pela tendência do garoto, o que ele fará com apenas mais uns anos de idade.

Talvez essa mãe venha a amargar mais tarde, as conseqüências da sua indiferença com relação às atitudes do filho.

O escritor e poeta Khalil Gibran, a respeito dos pais assim se expressou:

"Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.

O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.

Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria. Pois assim como ele ama a flecha que voa, ama também o arco que permanece estável."

quarta-feira, 20 de abril de 2011

PÁSCOA FELIZ

É ser capaz de mudar,


É partilhar a vida na esperança,

É lutar para vencer toda sorte de sofrimento.

É ajudar mais gente a ser gente,

É viver em constante libertação,

É crer na vida que vence a morte.

É dizer sim ao amor e à vida,

É investir na fraternidade,

É lutar por um mundo melhor,

É vivenciar a solidariedade.

É renascimento, é recomeço,

É uma nova chance para melhorarmos

as coisas que não gostamos em nós,

Para sermos mais felizes por conhecermos

a nós mesmos mais um pouquinho.

É vermos que hoje...

somos melhores do que fomos ontem.

Desejo a todos as amigas e amigos uma

Feliz Páscoa, cheia de paz, amor e muita saúde!
Beijinhos com sabor de chocolate!!!

quarta-feira, 13 de abril de 2011

REVIVENDO O AMOR



Na dolescência, ele surge, manifestando-se de muitas formas.

Percebe-se que ele chegou ao coração da menina, com anseios de mulher, quando ela passa a se demorar nos cuidados pessoais.

O cabelo nunca está bom. Hoje ela o quer liso, depois, encaracolado, mudando a cor, alterando o corte.

Ela se olha no espelho de frente, de lado, pelas costas. E nunca está bem.

Batom, perfume,

agem. Roupa mais justa, roupa mais larga, mais curta. Uma sessão interminável de gostos, segundo a moda.

E, mais de uma vez, já no portão de casa, volta correndo, para tornar a se olhar no espelho.

Passa pelo pai e pergunta:

Estou bonita, pai?

Afinal, a opinião de um homem é importante.

Quando o menino, que sente em si os ardores da masculinidade, o descobre, todos na família percebem.

Porque o banho é demorado e freqüente. A roupa é escolhida com detalhes.

O cabelo - ah, o cabelo - é o item mais trabalhado. Raspar bem o rosto ou deixar crescer a barba? Que indecisão!

A grande pergunta é: Como as meninas gostam mais?

O motivo de tudo isso chama-se amor. Algo diferente que faz bater o coração no cérebro, tremer as pernas, gaguejar, suar nas mãos.

É um sentimento diferente pelo sexo oposto.

Há pouco se digladiavam, considerando-se verdadeiros inimigos.

Os meninos eram chatos. As meninas, umas tolas.

Agora, aquele olhar, um simples olhar de um para o outro é capaz de os fazer alçar às nuvens.

É belo esse período da descoberta desse doce sentimento. Não é o mesmo amor que se tem para com os pais, para com os irmãos, os avós, os amigos.

É um sentimento que fomenta o desejo de estar ao lado do outro; que tem a capacidade de fazer sonhar de olhos abertos; de acreditar que tudo se realizará, no futuro próximo; que a felicidade é plena, rósea, permanente.

Amor, enamorados. Gestos de carinho, olhares perdidos no vazio que, em verdade, se plenificam com a imagem do objeto do amor.

Caixas de chocolate, flores, pequenos mimos.

Você, que já ultrapassou a linha da adolescência;

que está namorando a mesma pessoa há anos;

que está casado, já é pai, avô - você recorda como eram apaixonantes aqueles dias de sonho, esperanças, castelos no ar?

Talvez você diga que passou da idade, que adolescência é adolescência.

Acredite: a época de amar não acaba nunca. Não importa a estação do ano.

Quando se ama, há sempre flores e perfumes no coração.

Por isso, neste dia dos namorados, surpreenda seu amor, mesmo que você já esteja desabituado a gestos creditados aos extremamente apaixonados.

Mostre que você ainda é o galã dos sonhos dela. Convide-a para passear, para dançar, para um jantar.

Saiam sozinhos. Voltem a sonhar, olhando a lua e as estrelas, que deverão estar brilhando só para vocês dois.

Redescubra o amor que um dia os uniu.

Ofereça flores, diga palavras de carinho, lembre como ela ainda está bonita.

A madurez dos anos lhe fez tão bem!

Aprume-se como um garoto saindo pela primeira vez com a namorada.

E descubra que o amor jamais envelhece. Porque o amor é o sentimento mais sublime que Deus nos permite alcançar.

Pense nisso! Hoje, neste dia especial